BEM VINDO AO BLOG DO IKESSAURO





quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Velociraptor

Velociraptor versão reptiliana
© Joe TucciaroneEsqueleto de Velociraptor
Desenho menor mostra partes encontradas, o maior o esqueleto reconstruído

©
Scott Hartman
Nome científico: Velociraptor mongoliensis e V. osmolskae.
Significado do Nome: Ladrão Veloz.
Tamanho: Cerca de 1,80 de comprimento e 50 a 70 centímetros de altura.
Peso: 15 a 20 quilos aproximadamente.
Alimentação:
Carnívora.
Período: Cretáceo, entre 85 a 70 milhões de anos.
Local: Mongólia - Ásia.

Veja onde foi encontrado o Velociraptor?
© Mapa modificado por Patrick Król PadilhaVeja quando viveu o velociraptor!
Indicação em vermelho na tabela.
© Patrick Król Padilha

O Velociraptor foi um pequeno dinossauro carnívoro, viveu no período Cretáceo na Mongólia e China, países Asiáticos. Sua existência foi conhecida em uma expedição de paleontólogos Americanos ao Deserto de Gobi - Mongólia entre 1922 e 1924. Foi nomeado em 1924 por Henry Fairfield Osborn, pesquisador estadunidense que escolheu seu nome e criou o novo gênero "Velociraptor". O nome do animal significa Ladrão veloz da Mongólia e tem origem das palavras provenientes do Latim, Velox = rápido, veloz e a palavra Raptor = ladrão, saqueador. A palavra mongoliensis significa "que vem da Mongólia" ou " que é da Mongólia" em homenagem ao país onde acharam o fóssil.
O primeiro fóssil continha apenas o crânio completo, mas esmagado, e as garras do pé, que inclusive Osborn pensou pertencerem à mão do animal. Em uma publicação o animal foi citado com o nome de OVORAPTOR ( não confunda com OVIRAPTOR). Mas devido a este nome não ter sido publicado oficialmente foi ignorado pela comunidade científica e o nome Velociraptor prevaleceu.
No início inserido na família Megalosauridae, como todos os carnívoros na época, devido ao Megalosaurus, primeiro dinossauro descoberto. Agora corretamente classificado como um dinossauro Sauriquiano, terópode, pertencente ao clado Tetanurae e Coelurosauria, que por sua vez compreendem a família Dromaeosauridae.
O Velociraptor comprovou que animais da Ásia de certa forma deviam ter ancestrais em comum com animais da América do Norte, pois tem parentesco próximo com Dromaeosaurus.
Nos anos seguintes várias expedições de paleontólogos de diversas nacionalidades encontraram espécimes muito bem preservados do Velociraptor, incluindo um dos mais espetaculares achados de todos os tempos, um Velociraptor agarrado a um Protoceratops, sendo que seu braço era mordido pelo bico do herbívoro enquanto o pé com a garra tentava acertar a garganta da presa. Nesta posição morreram misteriosamente e seu fóssil preservou a cena. Alguns acharam que morreram afogados, mas como no Cretáceo o Gobi já era desértico, pois as rochas onde estavam os fósseis são formadas de areia compactada, é improvável que ali houvesse água suficiente para que se afogassem. Talvez foram soterrados em uma tempestade de areia e ali permaneceram. Mas podemos crer que algo aconteceu com os restos durante os 65 milhões de anos, pois faltavam 3 das 4 pernas no Protoceratops. Pode ser que os restos acabaram parcialmente descobertos, talvez o vento varreu parte da areia deixando as pernas do herbívoro à mostra para que carniceiros as comessem. logo em seguida a areia recobriria o fóssil para selar a cena de um batalha pela vida, pelos próximos 65 milhões de anos. A decomposição pode ser outro fator, mas seria meio estranho, porque se as pernas decompuseram-se o resto deveria ter sofrido o mesmo processo.
Um espécime do "ladrão Veloz" foi curiosamente apelidado de Ichabodcraniosaurus, em referência ao personagem Ichabod Crane, da lenda do Cavaleiro sem cabeça, porque o fóssil não continha o crânio do dinossauro.
Depois de tantos fósseis encontrados, outra espécie de Velociraptor foi nomeada, baseada em fósseis de um crânio fragmentado e alguns outros ossos encontrados em 1999. Nomeado Velociraptor Osmolskae por Godefroit, Currie, Li, Shang e Dong em 2008, em homenagem ao paleontólogo polonês Halszka Osmólska, que muito contribuiu na pesquisa de terópodes na Ásia.
Todos os fósseis encontrados do Velociraptor estavam em formações rochosas da Mongólia, e China, sendo elas Formação Djadochta e na Formação Barun Goyot. Nestas formações foram encontrados diversos tipos de dinossauros, de ceratopsianos como o Protoceratops até grandes terópodes. Nesta lista incluem-se também ankylosaurideos, como o Pinacosaurus. Além destes haviam outros tipos de Dromaeosaurideos e Alvarezsaurideos.
A idade das rochas destas formações estão estimadas em aproximadamente 83 a 70 milhões de anos, idade que compõe as idades Santoniano e Campaniano, que fazem parte do Cretáceo Superior.
Este animal devia ser bem ágil. Atingindo apenas 1,80 metros de comprimento e aproximadamente 90 centímetros de altura se assemelhava a um peru em tamanho, mas mesmo assim era um predador feroz e inteligente. Não pesava muito mais que 20 quilos, massa corporal que lhe dava vantagem na hora de correr. Para capturar presas rápidas utilizava sua agilidade e um crânio leve, dotado de mandíbulas com cerca de 2o dentes de borda serrilhada, que ao morder ajudavam a reter a presa por mais tempo até dominá-la. Seu crânio era incrivelmente curvado para cima na parte superior, chegando a medir até 25 centímetros de comprimento na idade adulta.

Crânio do 1º Velociraptor descoberto
Exposto no Museu Americano de História Natural

© Ideonexus

Possuía braços alongados dotados de 3 dedos com garras, que tinham uma estrutura e flexibilidade como a asa dos pássaros atuais, permitindo que os dedos fossem usados para segurar, além de ter a "palma" da mão virada para dentro e não para baixo como se imaginava. Dos dedos da mão o do meio era o mais longo e o primeiro o menor deles. Seus braços eram fortes porque o Velociraptor possuía uma característica especial, havia nele uma clavícula, ossos responsáveis por dar potência aos braços.
Seu pé possuía 4 dedos, o primeiro conhecido como halux é bem pequeno e nem chega a tocar o solo, fica meio atrofiado. Dos três restantes, dois eram usados para caminhar e o 2º dedo, mal tocava o solo, pois possuía uma garra que antes Osborn afirmou ser da mão. A garra é a marca registrada deste animal e de todos os Dromaeosaurideos, tinha uma forma de foice e podia chegar a 6,5 centímetros no Velociraptor, pequena se comparada à do Deinonychus e do Utahraptor, além do recentemente descoberto na Argentina Austroraptor, agora considerado o maior da família. Para evitar que a garra enroscasse no solo, se quebrasse e mesmo fizesse o animal cair, o mesmo caminhava com o dedo levantado por fortes tendões.
A garra devia servir como arma, mas ao contrário do que se pensava, ela não era forte e afiada o suficiente para retalhar a carne, a parte de baixo era arredondada e não cortante, no máximo seria usada para arranhar e perfurar partes moles e vitais, como a garganta, atingindo veias e possivelmente a traqueia.
Em um documentário da rede BBC, intitulado "The Truth About the Killer Dinosaurs" ( A verdade sobre os dinossauros assassinos), cientistas montaram, com uma equipe mista de paleontólogos, mecânicos, escultores e técnicos em biomecânica, modelos das armas dos animais extintos escolhidos para o teste. Um deles foi o Velociraptor, do qual reproduziram a perna com a garra do pé, feita de material que teria a mesma resistência do osso da garra original. No testes a garra foi capaz de rasgar somente um pedaço de camurça. No entanto, quando utilizada em um pedaço de carne com pele, a parte da barriga de um porco, a garra fez um pequeno furo na pele e nada mais. Em um pedaço de couro de crocodilo a garra nem provocou arranhões, pelo contrário, acabou com a ponta quebrada. Se tiver curiosidade de ver, o documentário foi lançado no Brasil em DVD pela editora Abril, como especial da Revista Mundo Estranho, com o título Dinos Assassinos.
O resultado afirma, que somente um furo seria causado em um ataque, mas a garra teria que atingir uma área mole com a pele mais fina. Contudo esses testes foram feitos uma única vez, pelos cientistas, sem que nenhum outro pesquisador repetisse a experiência, por isto o resultado não pode ser considerado absolutamente correto.
O Velociraptor era um dinossauro ágil e devia correr muito nas perseguições à presas, mas uma cauda longa como a dele atrapalharia a estabilidade. Por este motivo sua cauda tinha estruturas ósseas na parte superior e tendões ossificados na parte de baixo. Estas estruturas faziam com que a cauda ficasse rígida quando corria, levantada para cima, impedindo que a cauda movimentasse verticalmente e descontroladamente, o que tiraria toda a estabilidade.
Porém isso não impedia que a cauda tivesse certa mobilidade, pois um espécime apresentava a cauda curvada em forma de S, sinal de que a cauda dobraria-se muito bem horizontalmente.
Em 2007 os paleontólogos Alan Turner, Peter Makovicky, Mark Norell e mais alguns colegas descobriram sinais de plumagem no Velociraptor, o que confirma a teoria de uma aparência com plumagem e penas. A confirmação veio porque no fóssil examinado encontraram certas marcas nos ossos dos braços que se formam onde as penas ficam fixadas. Sabemos disso porque as aves atuais tem estas marcas, que definitivamente comprovam a existência de penas no Velociraptor.
Mesmo um animal não apresentando estas marcas ele pode ter penas, como o flamingo atual, mas se ele tem estes vestígios definitivamente e sem dúvidas tinha penas.
Velociraptor versão plumada
© Felipe Elias
As presença de penas pode indicar Homeotermia, ou seja, animal com temperatura constante, sendo necessário que o animal comesse muito para manter uma taxa de metabolismo alta. Mas para que isto pudesse ocorrer seu sangue teria que ser quente e não frio como muitos imaginavam ocorrer nos dinossauros.
Sendo assim, com certeza este terópode era um caçador bem ativo, como comprovado no fóssil (GIN 100/25) chamado de "Fighting Dinosaurs", que contém o Velociraptor com o Protoceratops lutando. Em uma tradução livre, diria que o fóssil é chamado de Dinossauros Lutando, peça que hoje é de propriedade da Mongólia, que trata o fóssil como um verdadeiro tesouro, mas mesmo assim foi emprestado ao Museu de História Natural Americano para uma exibição temporária.

Fóssil dos dinossauros lutadores
© Museu Americano de História Natural

Reconstrução do fóssil
© L. Kalka
Reconstrução da hora em que ambos estavam lutando
© Luis Rey

No entanto o fóssil contem apenas 1 carnívoro, o oposto que ocorre com fósseis encontrados na América do Norte, onde alguns dromaeosaurideos, Deinonychus, foram encontrados em grande quantia em um único local, cercando um herbívoro, Tenontosaurus. Isso sugere que caçavam em bando. Mas a hipóstese não se aplica em todos os membros da família. Dromaeosauridae. Pode ser que o Velociraptor não usasse esta tática, caça em bando, para capturar presas. Pelo menos não há indícios concretos de que vivia assim. Nenhuma prova de tal comportamento foi encontrada em Velociraptor, mas mesmo assim geralmente é tido como caçador social, que caça com bandos.
Isso é reforçado pela sua popularidade, pois sendo tão conhecido acaba como astro ou tema de filmes e documentários, desenhos animados e jogos de vídeo-game.
O Velociraptor "caiu no gosto" do público em 1993 com o filme da Universal Pictures, Jurassic Park (1993), baseado no livro homônimo de Michael Crichton. No filme é retratado como um predador cruel, veloz, inteligente e social, que ataca em bandos. Seu tamanho é exagerado, quase 4 metros de comprimento e com 2 metros de altura, com anatômia incorreta para a espécie, que no filme tem como característica mais incorreta o crânio que na realidade se assemelha ao do Deinonychus ou Utahraptor, incluindo aí também o tamanho e inteligência. Este dinossauro era inteligente, tinha um dos maiores cérebros em relação ao tamanho do corpo, mas não era tão inteligente a ponto de abrir portar usando a maçaneta como no filme.

Velociraptors de Jurassic Park
© Universal PicturesComparação de um Homem de aproximdamente 1,80 metros com o velociraptor correto (esquerda) e Velociraptor de Jurassic Park (direita)!
© Patrick Król Padilha

Também acabou se tornando astro de jogos, devido ao sucesso no filme de Spielberg, jogos como Dino Crisis e Dino Crisis 2, jogos da própria franquia de Jurassic Park entre outros jogos cujo tema central é dinossauros.
Na TV aparecem em desenhos animados, são temas de documentários como o "Dino Planet" do Discovery Channel, Walking with Dinosaurs Special The Giant Claw da rede britânica BBC e no citado anteriormente The Truth About the Killer Dinosaurs também da BBC. Como é muito famosos diversos materiais como livros, revistas retratam o animal e uma grande diversidade de brinquedos sobre ele foram produzidos.

Fontes

1 comentários:

Mundo dos bichos disse...

Adorei a postagem!O velociraptor é um dos animais mais legais que eu já vi. Claro que ele é o meu dinossauro preferido.