Às vezes o conteúdo que você procura não está na primeira página. Seja um paleontólogo no Ikessauro e procure aqui o conteúdo que deseja!



quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Dilophosaurus

Arte de Brasílio Matsumoto
© Nestlé/6B Estúdio



© Gregory S. Paul
Veja quando viveu o Dilophosaurus
© Patrick Król Padilha
Sam Welles foi o descobridor do primeiro Dilophosaurus, em 1942, na Formação Kayenta, o qual foi levado até Berkeley para ser preparado para estudo, incluindo remoção do excesso de rocha dos ossos e montagem do animal, que foi primeiramente nomeado Megalosaurus wetherilli.
Réplica de um esqueleto do Dilophosaurus 
© UC Museum of Paleontology
O pesquisador Welles só retornou ao local do achado 10 anos depois, para estudar as rochas e determinar de qual período era o dinossauro. Nesta expedição ele encontrou, não longe do local onde havia encontrado o primeiro fóssil, um novo espécime da mesma espécie, que estava com as cristas duplas perfeitamente preservadas, permitindo uma melhor descrição e uma mudança no nome, para Dilophosaurus, que significa "Lagarto de duas cristas". O primeiro espécime também possuía cristas, mas elas estavam "grudadas" juntas, parecendo apenas um osso, que imaginaram ser da face, que teria sido deslocado com a ação do tempo.
© Gabriel Lio
Outra espécie foi encontrada em 1987, na China, nomeada por Shaojin Hu em 1993 como Dilophosaurus sinensis, mas parece ser muito diferente do parente americano, então no decorrer de estudos reconheceram este espécime como sinônimo de Sinosaurus triassicus. Tinha várias diferenças no crânio, como forma da crista e nas fenestras, além de não apresentar a "fissura" na mandíbula superior.
Dilophosaurus sinensis, hoje Sinosaurus triassicus
© John Burris
A espécie Dilophosaurus breedorum é baseado em um espécime também nomeado por Welles, mas descrito apenas em um estudo privado e é tida como inválida. O gênero Dilophosaurus, então contém somente uma espécie,  a espécie Tipo,  D. wetherilli. A crista dupla do animal foi reconstruída a partir deste fóssil inicialmente denominado D. breedorum, que hoje é considerado sinônimo de D. wetherilli.
Reconstrução do Dilophosaurus wetherilli
© Melissa Frankford
O Dilofossauro foi um Terópode médio do jurássico inferior, sua crista dupla em forma de um "V" é sua característica mais notável, possivelmente foi colorida e usada para impressionar fêmeas e machos rivais. Robert Gay publicou um estudo afirmando que a crista deveria variar de tamanho de acordo com o sexo do animal. Talvez o macho dominante ou o mais velho possuísse crista mais colorida ou maior. Viveu na América do Norte, e se alimentava de carne de outros dinossauros. Seus dentes eram longos, porém finos, inclusive na base. Um espécime deste animal tinha no crânio uma espécie de fenda na mandíbula superior, deixando o animal com um focinho mais fino, assemelhado ao dos crocodilos ou até mesmo dos Spinosaurideos. característica bem marcante, formada por uma ligação fraca os ossos maxilares e pré-maxilares.
Observe o focinho afinado do Dilophosaurus
© H. Kyoht Luterman
Alguns paleontólogos dizem que ele se alimentava de carniça porque sua mandíbula seria fraca demais devido a esta fissura, assim se lutasse com um outro dinossauro, ou tentasse segurar com força poderia quebrá-la. Talvez ele usasse os braços e pernas para caçar, se ele realmente o fizesse, pois isso talvez compensasse a fraqueza do crânio. Um animal de 6 metros de comprimento, pesando em torno de 500 a 600 quilos, precisaria comer bastante carne para sobreviver. Seus pés eram como o da maioria dos Terópodes conhecidos, tinha três dedos, sendo do do meio o mais longo. Confira abaixo a foto do fóssil do pé deste carnívoro primitivo.
Pé com 3 dedos, bem característico dos Terópodes
© UC Museum of Paleontology
Já suas "mãos" eram diferentes, pois ele era um Terópode mais primitivo, um Ceratossaurídeo, então tinha nos membros dianteiros quatro dedos, sendo que um deles parece ser oposto aos outros, como um polegar, permitindo uma habilidade maior na hora de agarrar algo.

Observe, a mão tem 4 dedos 
© 
UC Museum of Paleontology
Talvez caçasse por emboscadas, observando a presa de longe para surpreendê-la
© H. Kyoht Luterman

No filme Jurassic Park, o Dilofossauro é mostrado diferente de como realmente era, pois o seu tamanho era demasiado pequeno e ainda era capaz de cuspir veneno. Além destas características tinha um colarinho de pele que ficava dobrado ao redor do pescoço como nos atuais Lagartos de Colarinho. Não existem provas de que o Dilofossauro tivesse tais características que foram criadas pelo escritor Michael Crichton, para o livro Jurassic Park, que serviu de base para a adaptação no cinema.

© H. Kyoht Luterman
É muito improvável que o Dilofossauro cuspisse veneno, pois não há indícios concretos de que ele possuísse tal defesa ou arma para caça. Outra diferença é a forma do crânio, que no animal real é afinado e com uma pequena reentrância, que no personagem do filme não aparece, sendo o crânio totalmente igual em toda a extensão das mandíbulas, tanto superior, quanto inferior, sem qualquer fenda ou irregularidade, o que conferiu ao animal uma aparência mais "robusta" na cabeça.
Graças ao filme hoje o Dilofossauro é relativamente famoso, mas com a sua fama também se perpetuaram os erros anatômicos mostrados no longa metragem.

Dilophosaurus (Spitter) de Jurassic Park
© Universal Pictures
Dilophosaurus com anatomia correta
© Joe Tucciarone
Além de Jurassic Park, este dinossauro foi mostrado no documentário "When Dinosaurs Roamed America", do Discovery Channel, como sendo um dos primeiros predadores de médio porte do Jurássico inferior, no qual ele caça um Prossaurópode chamado de Anchisaurus. Frequentemente este dinossauro é usado como base para fabricação de bonecos ou jogos sobre o mesmo, como é o caso das coleções Carnegie, Battat entre outras marcas de miniaturas, que já o fabricaram. Foi tema do fascículo nº 20 da coleção Descobrindo o Mundo dos Dinossauros, lançada pela editora Salvat, em parte da Europa e América Latina. No Brasil também aparece no Álbum Dinossauros do Chocolate Surpresa lançado pela Nestle em 1993.



Fontes

2 comentários :

Kleber disse...

O entranho é que o Dilofossauro que ataca o Dennis Nedry dentro do carro tinha o crânio mais parecido com o Dilofossauro verdadeiro.

http://img1.wikia.nocookie.net/__cb20110410004641/dinosaurs/images/9/99/Dilophosaurus_jurassic_park.jpg

Henrique Sousa disse...

É verdade de uma cena pra outra o crânio dele muda de repente. Talvez seja outro dilofossauro mais velho.