Às vezes o conteúdo que você procura não está na primeira página. Seja um paleontólogo no Ikessauro e procure aqui o conteúdo que deseja!



sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Kentrossauro

© Jan Sovak
Esqueleto montado de um Kentrosaurus
© Dorling Kindersley
Nome científico: Kentrosaurus aethiopicus
Significado do Nome: Lagarto de Espigas ou Lagarto de Pontas.
Tamanho: aproximadamente 4,5 metros de comprimento e 2 metros de altura.
Peso: cerca de 2 toneladas.
Alimentação: Herbívora.
Período: Jurássico.
Local: Tanzânia-África.

Veja onde viveu o Kentrosaurus
© Mapa modificado por Patrick Król Padilha Veja quando viveu o Kentrosaurus
© Patrick Król Padilha
O Kentrosaurus, ou "Lagarto de Espigas", do grego, Kentron = Espinho, ponta e Sauros = réptil, lagarto, foi descoberto em uma das mais famosas expedições paleontológicas conhecidas, a de pesquisadores alemães em busca de fósseis na África, do ano de 1909 a 1912, onde várias espécies conhecidas mundialmente hoje, foram desenterradas, como o Brachiosaurus de Berlim, o maior esqueleto de dinossauro já montado. Um dos fósseis levados para a Alemanha foi um esqueleto do Kentrosaurus, quase completo, que só foi descrito em 1915 por Edwin Hennig. O esqueleto foi montado no Museu Humboldt, da Universidade de Berlim, porém esta foi bombardeada na Segunda Guerra Mundial e muitos fósseis lá armazenados foram destruídos para infelicidade da paleontologia.
No início da década de 1980, grande quantidade de fósseis do Kentrosaurus foram desenterrados na Tanzânia, permitindo que os pesquisadores estudassem a fundo esta espécie, tornando-a o mais bem conhecido dinossauro de placas da África.
© Paleoguy/JWK/Dinoraul

A descoberta do Kentrosaurus mostrou que os dinossauros de placas não viveram só na América do Norte e Europa, indicando uma ligação entre os continentes anteriormente.
Uma curiosidade a respeito do nome Kentrosaurus é que ele acabou entrando em conflito como nome Centrosaurus de um dinossauro de chifres norte americano. Isso porque na língua inglesa, a letra "C" geralmente é pronunciado com o som de "K", como na palavra Car (carro, se pronuncia "kar"). Então o nome Centrosaurus e Kentrosaurus inicialmente tinham a mesma pronúncia e decidiram que um dos nomes deveria ser mudado. Então em 1916, dois pesquisadores criaram novos nomes, um dos cientistas era o mesmo que descreveu o Kentrossauro, que mudou o nome do animal para Kentrurosaurus, enquanto outro pesquisador chamado Nopcsa criou o nome Doryphorosaurus para substituir o antigo.
No entanto nenhum dos dois nomes foi usado, porque resolveram apenas alterar a pronúncia de um dos nomes, no caso o do Centrosaurus é que permitia a mudança. Então o "C" passou a ser pronunciado com o som de "C" mesmo, como na palavra Cent (cêntimo, moeda, que se pronuncia com o som de "S", Sent). Então sempre que ver os nomes Doryphorosaurus ou Kentrurosaurus lembre-se que são sinônimos de Kentrossauro.

© Rafael Albo

Este dinossauro era um estegossaurídeo de porte médio, entre 4 e 5 metros de comprimento e 2 metros de altura, vivia na África durante o período Jurássico e era herbívoro. Ele era diferente dos outros estegossauros porque suas costas possuíam placas como as do Stegosaurus armatus, que no meio do corpo se tornavam espigões afiados, presentes também nos seus ombros e cauda, daí que vem o seu nome, devido a estes esporões, que o diferenciava de qualquer outro dinossauro de placas. Possivelmente as placas não eram usadas para a regulagem da temperatura corporal, como no Stegosaurus, pois as placas e espinhos do Kentrossauro eram pequenos e finos demais para isso. É mais provável que fosse usada para para se exibir para machos rivais ou atrair fêmeas, sendo que neste caso seria colorida.
© Paleoguy/JWK/Dinoraul
Mas seu principal objetivo, devia ser proteção contra carnívoros de médio a grande porte, funcionando como uma barreira aos dentes do predador ou apenas como um meio de impor respeito e mostrar-se mais perigoso do que era realmente, pois predadores como Allosaurus e Ceratosaurus deveriam ser comuns naquela época e local. Também a respeito do local e período, podemos notar que a fauna encontrada na Formação Tendaguru na África é muito semelhante à Formação Morrison nos Estados Unidos, pois em ambos os locais viveram o Brachiosaurus, o Dryosaurus, o Allosaurus, o Ceratosaurus entre outros animais com semelhança na aparência ou com parentesco, o que definitivamente prova que havia uma ligação entre América e África antes do Jurássico. Vivia em bandos é o que se presume ou pelo menos em casais, como quase todos os herbívoros, tanto para se auxiliarem na vigilância do perímetro, como para reproduzirem mais facilmente, não tendo que sair a procura de parceiros, já que estão todos próximos.
Talvez vivessem em bando como na imagem abaixo
© Paulo Márcio

Outra característica que difere o Kentrossauro do Estegossauro são as suas vértebras próximas à cauda e quadril, que no seu parente norte americano são bem pronunciadas, enquanto no animal africano são bem mais simplificadas.
O seu fêmur comparado com o resto da perna indica que este dinossauro era lento e devia ficar bastante tempo quieto, sem viajar muito pelas planícies Jurássicas, no entanto isso também pode indicar que ele poderia ficar "em pé", apoiado só nas pernas traseiras enquanto agarrava ramos ou folhas mais altas.
© Paleoguy/JWK/Dinoraul
Hoje o Kentrossauro ainda não aparece tanto na mídia como seu parente mais famoso, o Estegossauro, mas como está se popularizando entre paleontologistas, crianças, fãns de dinossauros do mundo todo, podemos prever que no futuro venha a surgir em filmes ou jogos. Hoje ele é mostrado somente no jogo Jurassic Park Operation Genesis, para Playstation 2 e PC, jogo este onde podemos simular a criação do parque dos dinossauros e criar vários animais, dentre eles o Kentrossauro.
© Universal Vivendi/Blue Tongue

Fontes

1 comentários :

Dan disse...

Parabéns pelo blog!
Dinossauros são demais!
Abraços!