Às vezes o conteúdo que você procura não está na primeira página. Seja um paleontólogo no Ikessauro e procure aqui o conteúdo que deseja!



sábado, 31 de janeiro de 2009

Sea Monsters

Comparação entre alguns animais de Sea Monsters
©
BBC
Sea Monsters é um dos episódios especiais da série Walking With, que iniciou-se com Walking with Dinosaurs, continuou com Walking with Beasts e depois com Walking with Monsters. Porém Sea Monsters conta com um elemento a mais , o apresentador de vida selvagem Nigel Marven, que viajará através do tempo por vários períodos da Terra para mergulhar nos 7 mares mais perigosos de todos os tempos. Mergulhe com ele, através do tempo em direção aos oceanos primitivos, expandindo a postagem e lendo todo o texto.


Nesta aventura Nigel utiliza a mesma tecnologia fictícia usada em Prehistoric Park (Parque Pré-histórico), um portal temporal que permite viajar para o passado ou futuro, levando consigo diversos objetos, desde uma caneta até barcos e carros ou até mesmo aviões.

O Objetivo de Nigel nestas viagens, (sim, são várias viagens e não uma apenas), é visitar o planeta Terra durante os mais variados períodos da pré-história e mergulhar nos 7 mais perigosos mares que já existiram, para mostrar como era a vida marinha nesta época e quais os principais perigos.
A viagem através dos 7 mares mais perigosos começa com o último da lista e termina com o mais perigoso, numa contagem de periculosidade decrescente. Veja abaixo uma breve descrição dos 3 episódios onde são retratados os mares. Confira abaixo a abertura do documentário, infelizmente está sem legenda, somente com áudio em inglês, mas com esta prévia dá para matar a curiosidade por um tempo e ter uma ideia de como é o documentário.
© BBC

EPISÓDIO 1

O 7º MAR MAIS PERIGOSO!
Período: Ordoviciano.
Época: 450 milhões de anos atrás.
Local: New York
Perigos: Escorpião Gigante e Ortocone Gigante
Nigel volta neste período quando a Terra nem sequer tinha plantas. Havia vida apenas na água, em terra nada mais do que rochas e poeira. O nível de oxigênio bem mais baixo obriga Nigel a usar frequentemente um tanque com oxigênio mesmo em terra para auxiliar na respiração. Na praia Nigel encontra várias peixes mortos e usa um deles, muito primitivo, chamado Astraspis, para atrair um escorpião marinho de aproximadamente 1 metro, chamado Megalograptus. Após mostrar este animal o aventureiro encontra a carcaça de um trilobita gigante, Isotelus, para que com ela atraia outro tipo de predador, maior ainda que o escorpião. Insere no lugar do olho do trilobita uma câmera para filmar o que ocorre no fundo da água e atira o animal morto ao mar. Ao tocar o fundo logo o animal é atacado por outro escorpião marinho, que parecem pragas da época. Mas logo em seguida surge o animal que Nigel procura, um Cameroceras, uma espécie de ortocone, animal que é parente das lulas e polvos, mas que possuía uma concha enorme e dura em forma de cone. O animal é enorme e chega ao tamanho de um caminhão, portanto Nigel acaba mergulhando para vê-lo de perto, inclusive agarrando-se a sua concha para um passeio.
Os animais deste episódio são:
  • Astraspis
  • Megalograptus
  • Isoletus
  • Cameroceras
  • Graptolite não identificado
© BBC© BBC

O 6º MAR MAIS PERIGOSO
Período: Triássico.
Época: 230 milhões de anos atrás.
Local: Suíça.
Perigos: Nothosaurus e Cymbospondylus
Nigel está agora no período Triássico, época em que Dinossauros e Pterossauros começam a dominar o planeta. Na praia um Coelophysis caminha enquanto Peteinosaurus voam velozmente nos céus. Nigel resolve dar um mergulho com os Nothosaurus, répteis marinhos com aparência semelhante à dos plesiossauros, pescoço longo e boca provida de dentes, porém com o pescoço mais robusto e curto que o de um plesiossauro, talvez deva ser um ancestral dos mesmos. Nigel leva para proteção um bastão com aguilhão elétrico, para golpear o réptil caso ele ataque. Os Nothosaurus inicialmente são curiosos e amigáveis, porém ao se aproximar demais do apresentador, com intenção de ataque, o animal é golpeado pelo bastão de choque que logo o afasta. Próximo dali Nigel encontra um Tanystropheus, em meio a rochas e corais. Esse réptil é muito estranho pelo seu formato, um corpo pequeno com cauda mediana e um pescoço tão longo que parece ser equivalente ao corpo e cauda juntos. Nigel agarra na cauda do animal, que ao sentir toma sua atitude de defesa, "quebra" a cauda como uma lagartixa atual e foge sem a mesma, que fica nas mãos de Marven, que logo se assusta ao ser surpreendido pelo Cymbospondylus, um réptil que do nada surge e come a cauda solta. Nigel é atacado pelo recém chegado animal e usa novamente o bastão elétrico. Nova viagem no tempo.
Os animais deste mar são:
  • Nothosaurus
  • Cymbospondylus
  • Coelophysis
  • Pteinosaurus
  • Tanystropheus
© BBCFoto de WWD foi usado o mesmo modelo em Sea Monsters
© BBC
Foto de WWD: foi usado o mesmo modelo em Sea Monsters
© BBC
© BBC
© BBC
O 5º MAR MAIS PERIGOSO
Período: Devoniano.
Época: 360 milhões de anos atrás.
Local: Ohio - Estados Unidos.
Perigos: Dunkleosteus
Nigel visita o mar onde viveu um dos mais poderosos peixes de todos os tempos, Dunkleosteus, que logo na chegada é filmado por Mike, um dos ajudantes de Nigel e que viaja no barco com a tripulação. Nigel pesca um peixe chamado Bothriolepis, para usá-lo como isca para atrair o enorme peixe de carapaça. Este peixe pescado por Nigel é também provido de escamas em forma de placas ósseas, mas para testar a força da mordida do Dunkleosteus, o aventureiro resolve envolver a isca em uma manta de aço, que resiste até a golpes de machado sem ser perfurada. Para proteção a tripulação do barco fabrica uma gaiola, parecida com a que se usa para mergulhar com tubarões, mas com forma diferente, esférica, para que se o peixe gigante tentar morder, suas mandíbulas escorreguem nas barras de ferro. De dentro da gaiola Nigel usa uma vara com o peixe envolto na malha de aço para atrair o grande predador, no entanto o primeiro que surge é um Stethacanthus, um tubarão da época. Este não consegue comer a isca por causa da malha e desiste, mas logo em seguida o protagonista aparece com sua enorme bocarra e prepara um ataque à gaiola. Quanto desfere uma "corrida" em direção a Nigel... CONTINUA

EPISÓDIO 2 : Nas mandíbulas da Morte.
... O Dunkleosteus segue ferozmente em direção à gaiola e desfere um ataque, porém este de nada adianta, pois as barras protegem Nigel. O peixe envolto em malha de aço é atirado por Nigel ao fundo, onde um pequeno Dunkleosteus começa a morder. O animal fura a malha, é forte o suficiente, mas eis que o grande peixe adulto surge e devora o menor, provando um comportamento canibalista.
Os animais do Devoniano são:
  • Dunkleosteus
  • Bothriolepis (no documentário é chamado apenas de placodermo)
  • Stethacanthus
© BBC
© BBC

O 4º MAR MAIS PERIGOSO
Período: Eoceno.
Época: 36 milhões de anos atrás.
Local: Giza - Egito.
Perigos: Basilosaurus
Nesta aventura Nigel está no local que no futuro será o Egito. Primeiramente encontra o Arsinotherium, um mamífero semelhante ao Rinoceronte, com dois grandes chifres no focinho. O apresentador tenta uma aproximação amigável oferecendo uma maçã, mas o animal o persegue furioso até que o intrépido zoologista se esconde na mata. O animal entra na água como um hipopótamo. Nigel avista um grupo de 3 animais na água, uma espécie de baleia, Dorudon. Mas ele quer mais, procura pelo Basilosaurus, uma das baleias mais mortais que já existiu, com uma boca cheia de dentes afiados e um corpo enorme. Para encontrar o animal a tripulação usa o mesmo equipamento que os pesquisadores usam para gravar sons de baleias de hoje. Gravam o som do Basilossauro e reproduzindo-o na água o fazem chegar até o barco. Nigel mergulha e fica abaixo do barco. O animal chega e fica rondando o microfone, até que acaba atacando e arrancando o mesmo, sumindo com ele.
Os animais deste período são:
  • Basilosaurus
  • Arsinoitherium
  • Dorudon
Foto de WWB: foi usado o mesmo modelo em Sea Monsters
© BBC
© BBCFoto de WWB: foi usado o mesmo modelo em Sea Monsters
© BBC

O 3º MAR MAIS PERIGOSO
Período: Plioceno.
Época: 4 milhões de anos atrás.
Local: Peru
Perigos: Megalodon
O aventureiro desta vez procura o maior tubarão que já viveu, o Megalodon, nos mares do Peru do período Plioceno. Decidem primeiro que Nigel deve meergulhar nas águas mais rasas para observar os animais jovens, porque um encontro direto com um adulto pode ser perigoso. Nigel entra na água e procura manter-se próximo às algas, que oferecem uma espécie de refúgio, deixando-o escondido. Logo o amante dos animais encontra uma espécie de baleia primitiva, Odobenocetops, que fuça o fundo do substrato para procurar comida. Surge um Megalodon, ainda adolescente e inicia uma perseguição à presa.
Em outro mergulho, desta vez no mar aberto e com Megalodontes adultos, Nigel usa novamente a gaiola redonda para se proteger enquanto tenta preder um pequeno arpão com uma câmera na barbatana dorsal do gigantesco peixe. Todas as tentativas falham e Nigel resolve tentar de outra forma. Já no barco, em uma plataforma ao lado do casco ele espera o tubarão atacar a bola de iscas penduradas ao lado do barco, até que o esperado ataque acontece, mas Nigel cai da plataforma na água ao lado do maior tubarão que já nadou nas águas do planeta Terra...
CONTINUA

EPISÓDIO 3: Para o Inferno... e retorna?
... Nigel na água está com medo e irritado, acaba por descontar a raiva no companheiro que manipulava as iscas por meio de agressões verbais, mas logo retorna nadando à plataforma para outra tentativa.
Novo ataque e finalmente ele consegue prender a câmera no animal. A câmera, projetada para se soltar da barbatana em dois dias, irá boiar e depois de encontrá-la os tripulantes podem recuperar o vídeo gravado para entender sobre o hábito de caça do Megalodon. Depois disso o zoologista explica como o grande tubarão foi extinto.
Os bichos desta época são:
  • Megalodon
  • Odobenocetops
  • Cetotherium (identificado apenas como baleia)
© BBC© BBC

O 2º MAR MAIS PERIGOSO
Período: Jurássico.
Época: 155 milhões de anos atrás.
Local: Inglaterra.
Perigos: Liopleurodon
Na segunda posição da lista está o mar da Inglaterra no Jurássico, onde Nigel mergulha com um cardume de Leedsichthys, os maiores peixes que já viveram. Um dos integrantes do cardume de gigantes está fraco e doente, por isso não acompanha o resto do grupo com a mesma velocidade e é atacado por predadores da fauna nativa, como o crocodilo marinho primitivo Metriorhynchus e também por animais vindos de longe, atraídos pelo cheiro, como o tubarão Hybodus. O gigante dos mares está sendo devorado vivo pelos pequenos predadores, mas assim mesmo continua nadando. De volta ao barco a equipe procura um outro predador no radar, e para concluir o seu objetivo segue o grande peixe doente e ferido, com a certeza de que em breve atrairá o grande predador, o qual os tripulantes tanto almejam ver. Este seria o Liopleurodon, um enorme pliossauro com uma enorme boca com dentes assustadores. Ao anoitecer dois destes carnívoros aparecem e começam a atacar o peixe, já morto de exaustão e perda de sangue. Nigel e mais alguns da equipe, mergulham no meio do banquete, confiando que sua roupa equipada com um sistema de defesa irá funcionar em caso de ataque. A roupa libera um jato de uma substância com cheiro de carne podre, que de acordo com experiências feitas pela equipe, repele os Liopleurodons. Alguns minutos observando os animais, um dos predadores ataca e a roupa prova sua eficiência repelindo-o.
A fauna Jurássica é composta por:
  • Leedsichthys
  • Liopleurodon
  • Hybodus
  • Metriorhynchus
© BBCFoto de WWD: foi usado o mesmo modelo em Sea Monsters
© BBCFoto de WWD: foi usado o mesmo modelo em Sea Monsters
© BBC
© BBC


O MAR MAIS PERIGOSO DE TODOS OS TEMPOS
Período: Cretáceo.
Época: 65 milhões de anos atrás.
Local: Kansas - Estados Unidos.
Perigos: Tylosaurus, Xiphactinus e Tubarões
Na costa, Marven encontra uma colônia das aves primitivas Hesperornis, mas prossegue sua busca na água, que é onde estão os mais perigosos predadores da época. Na água encontram uma grande mancha de sangue e com um periscópio o apresentador observa a matança debaixo da água. O sangue é de um Hesperornis morto e dentre os predadores presentes para comer, ali há um Squalicorax, que é um tubarão da época. Além dele há ali o grande peixe Xiphactinus e o Halisaurus, um mosassaurídeo. O nosso "herói" explica que as águas do mar do Cretáceo são demasiadamente perigosas para que possam mergulhar com os animais, então para poder ter uma boa visão dos predadores e presas debaixo da água, câmeras foram instaladas na parte de baixo do casco do barco, ficando submersas e captando tudo o que se passa abaixo sa superfície. Além das câmeras usarão o ROV, uma espécie de robô mergulhador que capta as imagens por uma camera, permitindo que vejam qualquer animal com todo o conforto e segurança que o barco pode proporcionar.
Na margem um Tyrannosaurus rex ruge aos pterossauros que voam, impotente na tentativa de agarrar os rápidos répteis alados.
Logo as câmeras do casco captam imagens dos Elasmosaurus, nadando junto com o barco, assim como fazem os golfinhos hoje. O barco bate em uma carcaça de um Archelon, uma enorme tartaruga da época, que foi partida ao meio por um grande predador. Nigel lamenta não ter podido vê-la viva. Contenta-se em "domesticar" um Pteranodon que por ali voa, jogando pedaços de peixe para o réptil alado comer, enquanto descansa pousado sobre a cabine do barco. Mas Nigel encontra um Archelon vivo algum tempo depois e resolve nadar come ele, mesmo sabendo dos perigos. Com o bote inflável, ele e o seu câmera vão até o animal e Nigel mergulha apenas com um snorquel. Agarra-se à carapaça da grande tartaruga e aproveita um momento incrível, que logo é interrompido por um grande Xiphactinus.
Ele volta rapidamente ao bote e no retorno ao barco uma família de Tylosaurus, chamado por ele de Mossauro Gigante, que ataca o bote jogando os dois homens na água. Em um golpe de sorte os animais se interessam mais pelo bote do que pelos dois que conseguem voltar ao barco nadando.
Assim finalizam a viagem com o mar mais perigoso de todos os tempos, mas algumas surpresas ainda ocorrem após o retorno do barco.
Os habitantes do mar mais perigoso de todos os tempos são:
  • Xiphactinus
  • Hesperornis
  • Archelon
  • Elasmosaurus
  • Squalicorax (identificado apenas como Tubarão no episódio)
  • Halisaurus (identificado apenas como Mosassauro no episódio)
  • Tyrannosaurus rex (aparece na margem)
  • Pteranodon
  • Tylosaurus (Mosassauro Gigante - de acordo com algumas fontes seria Hainosaurus, porém o tamanho indica que são Tylosaurus)


© BBC© BBC© BBC© BBC
Foto de WWD: foi usado o mesmo modelo em Sea Monsters
© BBC© BBC© BBC

O documentário tem algumas curiosidades que gostaria de mencionar, como o fato do Tiranossauro rex ter aparecido há 75 milhões de anos, época em que provavelmente não viveu. Nunca foram achados fósseis deste animal com esta idade, que fornece mais fósseis do Albertossauro, um parente do "Rei".
Cymbospondylus é chamado de o maior Ictiossauro de todos, mas o correto seria o Shonisaurus ser o maior deste grupo.
Vários animais foram "ressuscitados" de outros documentários da Walking with Series. Entre estes estão o Liopleurodon e o Hybodus que voltaram de Caminhando com os Dinossauros e Basilosaurus e Dorudon que retornaram de Caminhando com as Bestas. De volta de Caminhando com os Monstros temos o tubarão Stethacanthus.
Sea Monsters nunca foi lançado em DVD no Reino Unido, que é o local de origem. Foi produzido um DVD na América do Norte, com o documentário e também um chamado Chased by Dinosaurs, que é a junção de Sea Monsters com os especiais "Land of Giants & Giant Claw", também estrelados por Nigel Marven.
Em um dos canais por assinatura da BBC, o Sea Monsters foi exibido sem cortes, ou seja, não há as pausas entre o Episódio 1, 2 e 3, que narrei aqui na postagem, inserindo um CONTINUA, ou seja, o documentário foi exibido de forma direta, sem esse artifício de suspense.
A BBC também fez um joguinho online do documentário, simples, mas legal, que pode ser acessado no site oficial, clicando aqui.
Infelizmente o documentário não pode ser adquirido em DVD no Brasil, pois nunca foi lançada uma versão oficial do DVD no Brasil. No entanto, ainda pode encontrá-la no exterior à venda, sem nosso idioma obviamente, via Ebay ou Amazon, não passando de alguns dólares de valor.

Fontes

0 comentários :